quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Existe uma floresta (de Alma Welt)

                                       Bosque sagrado - Arnold Böcklin - "Heiliger Hain“

Existe uma floresta (de Alma Welt)

Existe uma floresta dentro em nós
Que contém todos os medos e mistérios.
E remonta às priscas eras dos avós
Com seus contos de abadias, cemitérios...

Já minha avó costumava me contar
Histórias que eu não levaria adiante
Se tivesse eu na vida o meu infante
E me pedisse no serão, após jantar:

"Mãe me conta a da relva-cabeleira
Que cantava: "pelo figo da figueira..."
Jardineiro não me cortes o cabelo..."

Filhinho meu, quem tais horrores lhe contou?
Terei sido eu mesma em desmazelo,
Pois que tal conto sinistro me encantou?"

.
19/10/2016

terça-feira, 2 de agosto de 2016

A Feiticeira (de Alma Welt)

                                          A Feiticeira - litografia de Guilherme de Faria, 1974

A Feiticeira (de Alma Welt)

A uma légua do nosso casarão
Vive aquela bruxa feiticeira
Que o povo diz ter parte com o Cão
E ficaria insone a noite inteira.

Junto dela permanece o grande bode
Que é seu conselheiro ou consultor
E com cujos feitiços ninguém pode
Quando se trata de ódio ou de amor.

Mas eu fui lá um dia e só encontrei
Conversando com Tomaso, nosso frei,
Uma pobre velhinha muito meiga.

E não havia ali coisas macabras,
Um bodinho, sim, e umas cabras
Cujo leite nos serviu, pão e manteiga...

.
29/07/2016

quinta-feira, 28 de julho de 2016

O Vulto noturno (de Alma Welt)


Eu só pedi poesia e jamais ouro
Quando o vulto sussurrou ao meu ouvido
Como rima para o meu cabelo louro
E eu de mim o expulsei por atrevido...

"Sou rico!" de manhã o irmão gritava:
Mostrando de dinheiro uns grandes maços.
E eu, guria, um soneto lhe mostrava,
No meio da euforia dos abraços...

"De onde veio toda essa dinheirama?",
Curiosa, perguntei ao meu irmão,
Já que os dias passava em sua cama.

"Um anjo me abordou durante o sono
E me fez rico, garantindo o meu filão
Disse "ouro", e ajoelhei ante seu trono..."

.
27/07/2016

sexta-feira, 28 de março de 2014

O Pântano (de Alma Welt)

          O Pântano - óleo s/ tela de Guilherme de Faria,100x100cm


 O Pântano (de Alma Welt)

Há um pântano aqui na minha estância,
Sinistro, enevoado, tenebroso,
Que ao penetrá-lo toda em ânsia
Sentia estar num âmbito escabroso.

Ali tudo me emergia na procura:
Desde planta sucosa e sanguessuga
Ao chapinhar da ave saracura
Que vadeava a água em sua fuga.

E foi então que o negro pássaro eu vi,
Como uma consciência pecadora
Que sobre um rubro toco estava ali...

E soube num relance, de repente,
Que eu abrira a minha caixa de Pandora,
E tudo se passava em minha mente...

sábado, 17 de agosto de 2013

A Hospedeira (de Alma Welt)

 
Tu que chegas ao portão de minha casa,
Já quase atravessaste o pampa inteiro
Até onde só o vento não se atrasa
E faz a curva em torno do celeiro.


Aqui é o fim do mundo conhecido,
E aportado, já não podes mais voltar
Ao teu próprio coração arrependido,
Que dos perdidos este é o novo lar...

Então após tomarmos nosso amargo
No serão frente ao fogo da lareira
Ouvirás de mim estórias, sem embargo.

Mais tarde, noite alta, ao som do vento
Como uivo de um lobo na soleira,
Verás os meus fantasmas, que acalento...

segunda-feira, 22 de julho de 2013

A Árvore Azul (de Alma Welt

A  Árvore Azul da Alma - tela de Guilherme de Faria, 2013, 100x80cm
 
 
A Árvore Azul (de Alma Welt)

Em noites quentes dela me aproximo,
Árvore azul de meu belo destino
De poeta pelas fontes do meu imo
Mais por este coração que pelo tino.

E entre os pirilampos coruscantes
Que embriagados dançam ao meu redor
Vou por certo renovar votos de antes
Quando, singela, minha fé era maior.

Qual sibila iniciada de meu culto
Não posso revelar meu ritual
Que se passa no âmbito do oculto.


Mas pela noite a dentro vou voar

No azul da copa mágica, irreal,
Onde pulsa o coração do meu pomar...

terça-feira, 25 de junho de 2013

Os Olhos da Noite (de Alma Welt)

 Olhos da Noite - pintura de Alma Welt


Os Olhos da Noite (de Alma Welt)

A barcaça da noite tem mil olhos
E navega silenciosa pela teia
Do espaço coalhado dos abrolhos
Que torna perigosa a lua cheia.

Vou com ela remando à contra-luz
Seguindo uma rota cega e louca
Que me exige uma espécie de capuz,
De mim, que nem sequer durmo de touca.

Mas as sombras escondem mais mistérios
Tal como em pleno sol a vida escura
A erguer campos de trigo e cemitérios...

Seguimos, pois, a remar contra a maré
Como vikings cobertos de armadura
Pois aqui é o fim do mundo e não dá pé...

sábado, 15 de dezembro de 2012

Memória de outro olhar (de Alma Welt)




 The Quarrel of Oberon and Titania - by Sir Joseph Noel Paton RSA (1821-1901)
      (after Midsummer's Night Dream from William Shakespeare)

Memória de outro olhar (de Alma Welt)

Já não entro no meu bosque como antes
Quando podíamos ver as fadas e duendes,
Eu e Rodo quando éramos infantes
E à rainha levávamos presentes...

Nosso olhar mudou, e nossa mente
(pelo menos vemos aves e insetos),
Perdemos a candura, simplesmente,
Sobrou-nos a matéria, os objetos...

Mas as puras almas se evolaram
Como a “cânfora na aurora” do poeta,
E só temos as memórias que sobraram.

E recorro aos sonetos delirantes
Que é a minha maneira predileta
De voltar a ser criança por instantes...

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Eu, fantasma (de Alma Welt)


Não deixarei mais a minha estância
E aqui ficarei como um fantasma
Como os que vejo desde a infância,
(uma única vez com medo e asma).

E já me vejo a vagar pelas coxilhas
Libertada do peso da matéria
Mas ainda a admirar as maravilhas
Qual se já não fosse sombra etérea...
Assim me imagino dentro em breve
Embora reconheça a ingenuidade
Dessa idéia de morte, assim, tão leve.

Mas deixar não posso a minha mente
Ir nos ventos da cruel realidade,
Senão caio fulminada, de repente...

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

O Círculo Mágico (de Alma Welt)


O Círculo Mágico (de Alma Welt)

Congreguemo-nos em torno do carvalho
Como outrora o faziam os druidas.

Oficiante, mostrarei o quanto valho
E então renovaremos nossas vidas.

Se eu deixar cair as minhas vestes
Sugiro que o façam igualmente.
A nudez é o maior dos nossos testes,
A pureza ficará mais evidente.

Pois aqueles que disserem: “Não consigo”
E tentarem se cobrir envergonhados,
O anátema carregam, tão antigo...

E teremos que refazer o anel
Somente com aqueles mais ousados
Que religarão a terra ao céu...



segunda-feira, 9 de julho de 2012

Os Poetas Vagam (de Alma Welt)


Os espíritos vagantes dos Poetas
Vêm aí pelas estradas da coxilha

Como andarilhos pouco ascetas
Parando pra beber de milha em milha,

Quando passam por aqui, Sta Gertudes,
Estância bem antiga, hospitaleira
E de ares fidalgos, nada rudes,
Com taças de cristal na cristaleira,

Entre os brindes bebemos todos juntos
Com canções dos velhos tempos farroupilhas
Esquecendo que lidamos com defuntos.

Mas quando o meu Maestro* principia
A falar na beleza de suas filhas...
De pudor minha pele se arrepia! 



 ______________________


Nota

*Maestro -  Alma e seus irmãos (Solange, Lucia e Rodo) chamavam seu pai de duas formas: Vati (pron. Fáti, "papai" em alemão) e Maestro, pois ele era um excelente músico amador , pianista erudito que tinha um Steinway em sua biblioteca na estância, e tocava maravilhosamente os românticos (Schubert, Chopin, Lizst, Mendelsohn, Beethoven...)

quinta-feira, 24 de maio de 2012

O Rei dos Elfos (de Alma Welt)


O Rei dos Elfos (de Alma Welt)

A charrete aos trancos balançava
Enquanto o vento mais zunia,
E eu no Galdério me agarrava
E mesmo sem fé a Deus pedia:

“Senhor, fazei com que cheguemos,
Se um raio nos pega estamos fritos!
Rei Mino libertou os sete demos *
Que somente nos querem ver aflitos!”

E de repente no meio da tormenta
Me lembrei daquele rei dos Elfos *
Que a criança ainda me atormenta.

Mas mesmo com a mente em tempestade,
Confundindo gibelinos com os guelfos,

Cheguei sã e salva à minha herdade... *
_________________________

  Notas

*Rei Mino libertou os sete demos -Alma chamava o Minuano, vento que ela temia, de Rei Mino. quanto aos sete demos presumo, que é uma alusão aos sete pecados capitais.

 *Me lembrei daquele rei dos Elfos - Alma certamente alude ao poema O rei dos Elfos, de Ghoethe, que foi musicado como um magnífico "lied" por  Franz Schubert. 
*Confundindo gibelinos com os guelfos- Alma se refere aos dois partidos políticos que dividiram a Europa desde o século XI até o século XIII, numa disputa sangrenta ente os partidários do Sacro-Império Romano- Germânico (os gibelinos) e os partidários do Papa (os guelfos). Ela quer dizerm dessa maneira insólita e original, que mesmo confusa, apavorada, com a tempestade na mente, ela chegou à sua estância, sã e salva.

quarta-feira, 23 de maio de 2012

A Travessia (de Alma Welt)

                                                                           The Sin - Henry Fuseli 1741 - 1825

A Travessia (de Alma Welt)


A grande noite escura atravessei
E bem próxima do último portal,
Confesso, tive medo e estaquei
Por ter um coração frágil e mortal.

Eu via ali a sombra de mim mesma
Que me acenava assim, meio sinistra.
Era eu a minha própria abantesma
Que o meu lado escuro administra.

Então lembrei-me de outro Bardo
Que se defrontou com o Pior
Quando já destilava a flor do cardo.

E gritei pra mim: “Irei em frente,
Não poderá haver horror maior!”
E escapei de mim relando rente...

quinta-feira, 3 de maio de 2012

O Sono da Erva-Mate (de Alma Welt)





O Sono da Erva-Mate (de Alma Welt)

Quando cai a noite aqui na estância
E silêncios começam, entrecortados
Pelos primeiros sons de circunstância
Como os grilos e sapos despertados,

É a hora dos latidos dos cachorros
Como a saudar a Noite que chegou
Com o brilho das estrelas em seus jorros
De luz que espaço-tempo atravessou.

Então começa a revoada dos vampiros
Atrás das pobres reses e os cavalos
Não obstante uns esparsos falsos tiros

Pois aqui não admito que se abate
Nada que se mova nem nos valos
Que conduzem ao sono da erva-mate...

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Alma Welt não morreu. Em Glastonbury, a barca cruzou as brumas e a levou para o mundo das fadas.” (Jorge Lima*)


The Lady of Shalott- John William Waterhouse (1849-1917), pintor "pre-rafaelita" inglês, The Tate Gallery, London
_________________________________________



*Jorge Lima apareceu com grande argúcia no debate ocorrido sobre a existência ou não da poetisa Alma Welt promovida pelo escritor e jornalista Milton Ribeiro no seu blog, e de que participei com prazer, tentando esclarecer certas dúvidas. Mas a verdade é que não consegui dissipá-las devido à natureza intrinsecamente misteriosa da divina poetisa Alma, minha irmã, e senti que a dúvida sobre a sua existência real entre os debatedores permaneceu de pé. Não posso provar que um ser assim, tão belo, tão amplo e profundo, viveu em carne e osso entre nós. (Lucia Welt)

*Glastonbury - Pra quem não sabe, é uma abadia em ruinas na região de Cornwall (Cornualha) próxima à antiga e desaparecida ilha de Avalon, e onde, no séc VII teria sido descoberto o túmulo do rei Arthur, dois séculos depois de sua morte, e em cujo caixão estavam também os ossos e o cabelo louro de Guinevere. O túmulo e os esqueletos desapareceram de novo desde então e continuam a ser procurados por arqueólogos até hoje, a despeito da teoria de que o rei Arthur, sua esposa Guinevere, sua corte de cavaleiros da Távola Redonda, a Fata Morgana e o mago Merlim não passem de personagens de uma lenda genial contada por uma cadeia de poetas a partir do século XV. A região é rica de passado celta, cheia de brumas no inverno e tétrica.
Há alguns anos acontece em Glastonbury, no verão, um fabuloso Festival de Artes, que veio substituir com sucesso o da ilha de Wight, e onde o mundo hippie parece renascer.


A Dama do Lago- óleo s/ tela de Guilherme de Faria, 1977, 110x140cm, coleção Fernando Carrieri, São Paulo, Brasil

terça-feira, 7 de junho de 2011

Os Espectros (de Alma Welt)

Bons espectros que, sei, velam meus sonhos
E sussurram recados de outras eras,
Às vezes me constrangem, pois tristonhos
Trazem queixas, protestos e quimeras.

A Anita que morreu recém-parida
E Netto, ao que parece, assassinado;
Bento em sua estância, mas falida,
Precisando de ajuda, e humilhado...

Entre os próximos, o Vati que me espera *
A mim, que me criou qual Galatéia, *
Mas fiel ao seu cinzel que ainda impera.

Mas fantasma que vivo me enlouquece,
É Rodo*, que tem, própria, a sua platéia
No verde onde o amor e o grão fenece... *


Notas
*...o Vati que me espera- Vati (papai, em alemáo pronuncia-se Fáti, de Vater, pai ( pr. fáter)
*A mim, que me criou qual Galatéia- referência ao Mito grego de Pigmalião, o escultor que esculpiu no mármore uma estátua tão bela de mulher, que pediu à deusa Venus que lhe desse vida. A estátua criou vida própria, se chamou Galatéia, e logo abandonou o artista apaixonado.

*Mas fiel ao seu cinzel que ainda impera - Alma se considerava uma criação de seu pai que quis moldá-la como uma obra de arte(e conseguiu), depois morreu. Alma no verso quis dizer que permanecia fiel à arte à qual ele a devotou.

*Rodo - o irmão da Alma, jogador profissional de poquer.

*No verde onde o amor e o grão fenece - Alma se refere ao pano verde das mesas de jogo.

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011


A Visita da Dama (de Alma Welt)

Não morrerei de amor como pensava
Que seria o meu fim quando guria,
Mas certamente baterei naquela aldrava
Mais cedo, que é o que a castelã queria

E disse quando ao meu encontro veio
Quando eu ia a vagar colhendo flores...
E recordo que não tinha um porte feio
Mas sim de dama digna de amores

Que por aqui passava como aragem,
Honrada me deixando, e receosa
De incomodar tão ilustre personagem.

Embora não marcando hora nem dia,
Agradeci-lhe a visita tão honrosa
Que deixou claro o quanto me queria...

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Por um triz (de Alma Welt)

Contar o meu segredo para o mundo
Seria uma irrisória pretensão,
Mas tudo o que está no mais profundo
Revelar-se é a sua grande vocação...

Quem sou, existirei, tenho uma vida?
Há quem diga que sou só a criação
De uma notável criatura dividida,
De um escritor de gênio a obsessão.

Mas mesmo por um triz a revelar-me,
Só admito que sou anima bem viva
E dizer isso não é somente charme,

Mas a real natureza e condição
De minha existência recidiva
Em outras além desta encarnação...

04/02/2011

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Amores mortos (de Alma Welt)

De noite perambulo o casarão
Na calada dos murmúrios e segredos
Enquanto os amores mortos vão
Tentando refazer os meus enredos...

E bem depois das doze badaladas
Neste decrépito relógio do salão
Começam as intrigas renovadas,
As lágrimas, suspiros, rebelião...

Todos eles, na verdade, foram meus...
Reconheço esses hóspedes inquietos
Que tomam por descaso o meu adeus,

E gritam, cerram punhos e ameaçam:
“Tu nos fazia crer-nos prediletos!
Tua ternura e beleza nos desgraçam!”

(sem data)

domingo, 2 de janeiro de 2011

O Mito (de Alma Welt)



O Mito (de Alma Welt)

"Por quê pareces ser tão misteriosa?"
Perguntou-me a jornalista de repente.
"Tens um olhar profundo, mas ausente,
E falas mais em verso do que em prosa."

"Tudo aqui me parece meio estranho,
Perdoa-me que o diga, és já um Mito
Mas se ao bajular-te nada ganho
Confesso que pra mim é esquisito"

"Escreveres assim com essa tal pena
Ou pluma, sei lá, e ainda de ema
Com tinteiro e tinta de molusco,"

"Ou sépia,vá lá... não leva a mal,
Mas temo que a matéria que eu busco
Causará certa descrença em meu jornal..."

(sem data)

A Máscara (de Alma Welt)


Mascarado (Carnaval)- desenho de Guilherme de Faria

A Máscara (de Alma Welt)

Sob a máscara estranha permanece
E eu percebo pelo porte pequenino
Durante uma folia que se aquece,
Que não passa de guria ou menino.

Mais não pude precisar desse mistério
Pois não emite canto, grito... nada!
Talvez vá retornar ao cemitério
Ao chegar quarta-feira acinzentada.

Já começo a ficar amedrontada
Pois durante todo, todo o Carnaval
Fez seus meneios sob minha sacada

Mas debaixo da cabeça monstruosa
De patética hibridez medieval,
A tristeza é minha, em verso e prosa...

05/03/2003

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

“Alma Welt não morreu. Em Glastonbury, a barca cruzou as brumas e a levou para o mundo das fadas.” (Jorge Lima*)

A Dama do Lago (II) (de Alma Welt)

À vezes me sinto quase exausta
De ser este vulcão, esta torrente
De poemas, visões e vida fausta,
Derramada, liberta, transparente.

Tudo revelei, não por bravata,
E me doei generosa a este mundo
E ao Pampa, como água vem do fundo
Da fonte do meu poço da cascata

Aonde sinto deitarei como na cama
Pois aqui avistei-me como a Dama
Do Lago, que recolhe a bela espada

Que eu, como Arthur, me atirarei,
Cumprida a minha missão inusitada,
De volta ao mar de brumas como o rei...

20/12/2006
_________________________________________________________


Duplo etéreo (de Alma Welt)

Ter a minha vida acompanhada
A cada passo e a cada pensamento
Por sonetos, qual diário da jornada,
Foi, bem cedo, a saída e o alento

Para viver em dobro, alternativa
Para quem tem, como eu, contados dias,
Pois que me vendo de novo nas poesias
Reitero meu viver, e estou mais viva.

Esse diário teve um custo quando nova,
Pois fez de minha Mutti minha crítica
E tenho marcas no traseiro como prova.

Mas tendo em duas vidas duplo etéreo,
Percebo agora que atingi a feição mítica
Que faz de mim mesma o meu Mistério.

(sem data)



O Muro (de Alma Welt)

No fundo do jardim existe um muro
O qual desde guria eu suspeito
Que separa o meu presente do futuro
O lado claro e o escuro do meu peito.

Suponho que os dois pólos profundos
Separam para todos estes mundos,
Não somente em mim com o meu sisma,
Sonhos, medos, devaneios e carisma.

Mas se a Poesia nasce do absurdo
Como a invisível presença de uma ilha
No maternal e imenso seio da coxilha,

O que me dá esse ar vago e passo etéreo
É que ouço uma trilha, num tom surdo,
Na cercania desse muro de mistério...

(sem data)

A castelã (de Alma Welt)

Sou Alma desta estância, ex Farroupilha,
Santa Gertrudes agora, em seu vinhedo
Cercando o casarão que ainda faz medo
Com estórias de guerras de guerrilha,

E de noites de gemidos e murmúrios
Que se ouvem ainda atrás das portas
Vindos de quartos, alcovas e tugúrios,
Ao som das batidas de horas mortas

Da torre de um relógio de outra era
Com seu dourado disco, mas de bronze,
Pendulando o silêncio até as onze...

Quem não teme visões de cemitérios,
Venha visitar-me, mas quem dera
Não ser eu a castelã destes mistérios...

(sem data)

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

A dama do lobo ( de Alma Welt)


 
 Alma e o lobo- óleo s/ tela de Guilherme de Faria, 2006, 150x150cm

A dama do lobo ( de Alma Welt)

"Amo vagar assim pelo meu bosque,
Mas, vede, por um lobo acompanhada
Até a cercania de um quiosque
Sobre o qual eu deveria estar calada

Pois ali fui por ele possuída
Em noite de prazeres e mistérios
Que me puseram, então, desfalecida
Em lances e perigos muito sérios...

E agora sou a branca dama errante
Nas noites derradeiras deste outubro
Que os peões tacham de infamante

Cogitando atear fogo na floresta
Quando a dama aquecida for ao rubro
Em tão lupina, escura e antiga festa"...


31/10/1999

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

A dupla fonte da Alma (de Alma Welt)


Alma e o negrinho - pintura e de Guilherme de Faria

A dupla fonte da Alma (de Alma Welt)

Dupla fonte de desejos encontrei
No bosque meu, dourado, da memória.
E uma dupla de numes invoquei:
O pastorzinho e a anima da estória.

Ela em figuração de Helena,
Bem poderia ser Maria, não Thaís,
Mas a conjunção valeu a pena
E pude ser então tudo o que quis...

O contraste extremo branco e negro
Como minha nota e desempenho
Resultou num timbre até mais íntegro

Ele, noite dos mistérios que venero,
Ela, branca qual papel do meu desenho
Ou aquele do soneto em que me esmero...

(sem data)

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Encontro com a Moira (de Alma Welt)

Estar em sintonia com a beleza
E ao ritmo fluindo de um adágio
Escolhido como som da Natureza,
Longe de conflito e de presságio,

Era só o que eu queria e esperava
Antes de encontrar-me com a Moira
Surgida como dama fria e loira
Quando eu nestes prados passeava,

Que ao fitar-me quase me abismou
Enquanto me dizia em voz soturna:
“Alma cara, o teu tempo se esgotou...”

“Se tanto te esperei, não desesperes
Que não serei pra ti sombra noturna
Mas abraço de irmã, se assim preferes...”

17/01/2007

domingo, 16 de maio de 2010

O ninho do pássaro de fogo (de Alma Welt)

O vento acompanhou meu crescimento
Desde que aqui fui transplantada
Por sorte num perfeito e bom momento
Para neste Pampa ser moldada.

Bá! Como uma potra agradecida
A correr de imediato na coxilha,
A abrir assim os braços para a vida,
E a dar-me ao Minuano como filha.

Não posso então queixar-me, nunca pude,
Apesar daquele mítico percalço
A que refiro, comovida e amiúde,

Pois aqui fui arrancada como um ninho
Do pássaro de fogo que ainda alço
E que persigo como um éden de carinho...

(sem data)

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Auto-definição (de Alma Welt)

Não sendo afinal tão transparente,
Por puro gosto do mistério e do oculto,
Nichos secretos guardei na minha mente
E sempre acompanhada por um vulto,

Não que seja o Mal ou coisa assim,
Nem mesmo eu diria ser a “sombra”
Porquanto sua presença não me assombra
Embora não também um serafim.

Mas a musa Erato, mais que ninfa,
Ou a bela Psiqué... então princesa,
Que é do meu pomar a própria linfa.

Uma forma-pensamento da Beleza,
O verso conclusivo e mais profundo,
Minha Anima, Welt, que é o Mundo.

(sem data)

Nota
Soneto descoberto esta manhã na Arca da Alma, e que me parece uma verdadeira "chave" para a comprensão do universo da grande poetisa universal do Pampa.

terça-feira, 6 de abril de 2010

O olhar do Poeta ( de Alma Welt)

Tudo merece verso, nada escapa
Ao abraço amplo da Poesia
Que é tão somente a antiga capa
Que as coisas e os seres envolvia

No tempo das brumas e mistérios,
Quando envolto em névoas de magia
Vagava o ser por entre eremitérios
Buscando o que o Graal esconderia.

O Cálice, agora já o sabemos,
Está entre nós em quase tudo
Que o olhar desvela quando vemos.

Mas ver ainda é segredo do Poeta,
Pois que o vulgo tem o olhar mudo,
Sem o Todo e o Sacro como meta...

12/08/2005

O que é a Alma (de Alma Welt)

Ter um olhar claro sobre o mundo
Foi sempre o meu maior escopo.
Verde nos meus olhos, claro e fundo...
Quanto a julgamento: nem um pouco.

Buscando restaurar os tons primevos,
Em meio à uma bruma retornada
De tempos difíceis, medievos,
Entre trevas e a aurora anunciada...

Não mais me diz respeito a ninharia,
As falhas do meu tempo, a ignorância.
Viver como se o mundo a compreendia

Eis mesmo o que de si foi esperado
Por aquela que não conheceu ganância
E aguarda da Beleza o seu primado...


(sem data)

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Noites do casarão (de Alma Welt)

Minhas noites aqui neste casarão
Há muito já não me trazem paz,
As correntes arrastando pelo chão
Ou coisas que o valham, lá de trás,

Ais, sussurros, alaridos e patadas
Povoam desde o sótão ao porão
De vultos e memórias assombradas
A casa decadente, em profusão.

Mas eu tolero tudo isso por amor
Da sombra forte e doce da heroína
Que me honra repartindo a sua dor,

Anita, que eu espero na fronteira
Valhacouto da amiga derradeira
Entre a vigília e o reino da morfina...


(sem data)

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Expedição ao Cerro (de Alma Welt)

Bem cedinho partimos pro Jarau
Com nossas mochilas e cajados.
Chegamos, não mais jovens e corados,
Tendo atravessado o rio a vau.

Perdi nessa jornada um meu amigo,
Outros tiveram medo e desistiram.
Os amores que, valentes, persistiram,
Surpreendentemente estão comigo.

Os que restamos com fé e sem cobiça,
Mantendo a esperança como antes,
Chegaremos à sala dos diamantes

Onde a Salamandra se espreguiça
Do sono milenar enquanto espera
Vencermos em nós mesmos nossa fera...

(sem data)

Nota
Como muitos da Alma, soneto nitidamente simbolista. O mito gaúcho da Salamanca (ou Salamandra) do Cerro do Jarau, eternizado por Simões Lopes Neto, foi aqui abordado como metáfora da jornada da vida. O rio atravessado a vau certamente deriva de Heráclito... (Lucia Welt)

domingo, 17 de janeiro de 2010

Receita de licor (de Alma Welt)

É tão oculto e raro o ambiente
Que se faz necessário ao cozimento
Da polpa das horas com a semente
De poesia, na alma em fogo lento.

E depois de decantar e arrefecer
Deixar fermentar por muitas horas
Antes que vás servir e oferecer
Mas evitando fazê-lo às senhoras,

Pois esta bebida não foi feita
Para a mente fraca ou leviana,
Nem pra ociosos pés-de-cana...

Esse licor é claro, forte, mas sutil,
E nasceu com Deméter, da colheita,
Detentora do alambique e do funil.

(sem data)

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

O espectro (de Alma Welt)

Diante da casa detive meu cavalo
E notei que continha não memórias,
Mas ninharias que não foram pelo ralo
Do tempo a escorrer as suas horas...

Dei rédeas ao meu pingo e retornei
Pois prefiro os espectros com que privo
Ainda que um pareça um morto vivo,
O Valentim, cuja saga já contei...

Pois bem: no seu pescoço ainda deixa
Um resto da corda que o sustenta
Para a toda a eternidade dos perdidos.

Mas posso conviver com sua queixa
Enquanto o coração ainda agüenta
Os lamentos, o pranto e os gemidos...

17/04/2005

sábado, 12 de dezembro de 2009

O Ogro (de Alma Welt)

A cada dia descubro nova face
Do meu próprio enigma na vida,
Mas se a alma gosta de disfarce
A inteireza está comprometida.

Não sou uma, sou muitas, isso dói,
Embora faça viver intensamente.
Viver somente a vida como soe
Já não pode acalmar a minha mente.

Então amo, escrevo e vivo em dobro
Nos cenários desta e de outras vidas,
Sempre a fugir do Grande Ogro,

Um cavaleiro negro e embuçado
Que perpetra no escuro as investidas,
Pois nunca mostra a face o nosso Fado...

(sem data)

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Canção sinistra (de Alma Welt)


A Peste- de Arnold Böcklin 1827-1901


Canção sinistra (de Alma Welt)

Chegamos ao fim, não tem mais jeito,
O mundo se acabou e já o vemos,
O Mal é o burgomestre ou o prefeito,
O caos se instalou e é o que temos.

Corram, corram, amigos desta aldeia
Aí vêm do tirano os quatro esbirros,
Foices já não brilham e a cara feia
Respingadas pelo sangue nos espirros.

Um corvo ali crocita no patíbulo
Mas a madrugada ainda teremos,
Vamos todos juntos ao prostíbulo.

Dancemos, cantemos e bebamos
A manhã por certo não veremos.
Ah! A vida foi tão breve e já nos vamos...

17/01/2007


O Eterno Cavaleiro- Litografia de Guilherme de Faria

domingo, 22 de novembro de 2009

Patética e inacabada (de Alma Welt)

O soneto é partitura do meu dia
E contém as notas, timbre e tom
De um andante meu na pradaria,
Dispondo se o concerto será bom.

Mas ao primeiro acorde inusitado
Regerei meu dia entre visões
E propensa a consultar o Fado,
Maestro verdadeiro... de ilusões.

Vê, o primo verso em tom saudoso
Já me arrasta em vã melancolia
Pelo longo adágio do meu dia...

Mas de minha sinfonia inacabada
O patético “finale maestoso”
Há de compor-se ao termo da jornada.

(sem data)

sábado, 21 de novembro de 2009

De feiticeiras, sopranos e contraltos (de Alma Welt)

Amar, grande mistério, é Deus em nós,
Assim como odiar é o Diabo.
E este dito perdura muito após
O tempo em que o cujo era invocado

Não só a torto e a direito nas igrejas
Mas na cozinha das velhas feiticeiras
Que com a feiúra e nariz de brotoejas
Aqueciam mais que nossas mamadeiras,

Mas asas de morcego e alguns sapos
Com o fio de cabelo de um incauto
Que ousara cuspir nos nossos trapos.

Bah! Miséria... do soprano até o contralto*,
Destino da mulher por tantos séculos,
Pernas abertas a sementes e espéculos!*...

(sem data)


Notas

*...do soprano até o contralto- Alma quer dizer: das mulheres frágeis até as mais fortes.

*...sementes e espéculos- significa a procriação e a tortura (espéculo, hoje em dia um instrumento médico ginecológico, era um instrumento de ferro para torturar mulheres nas masmorras da Inquisição. Sugestivamente, a palavra deriva do latim, speculum= espelho. (Lucia Welt)

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Arte em mim (de Alma Welt)

Dei-me cedo a mim mesma permissões
Que a Vida não daria de bom grado
A um astro, soberano ou potentado,
Mas no mundo interno: o das visões.

Aqui fui princesa e sou rainha,
Estrela maga, infanta, feiticeira.
Aqui a bela Terra é toda minha
E a minha visão é a verdadeira

Pois não há como de mim desencantar
O mundo que criei, de tão sutil
A diferença entre o ser e o avatar.

E se o Mistério há em toda parte,
Em mim cristalizou-se como arte
Com as palavras gravadas a buril....

(sem data)

sábado, 7 de novembro de 2009

O Sonho do casarão (de Alma Welt)

À meia-noite o sonho começava
Após a badalada derradeira,
Como doze golpes numa aldrava
De outra grande porta de madeira

Que não a do próprio casarão
Mas do castelo em festa, revelado,
Que há aqui mesmo no sobrado
E que emerge das sombras do porão

Lá onde as garrafas dormem cheias
E esperam, cada vez mais preciosas
Um novo tempo de vinhos e de rosas

Que só ocorrerá no mesmo sonho
Pois o Tempo suspenso tece teias
Que enredam o real reino tristonho.

(sem data)

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

A Usurpadora (de Alma Welt)


Da série Dança Macabra- xilogravura de Rethel

A Usurpadora (de Alma Welt)

Após a queda, retorno ao casarão,
Que andara pelo mundo, peregrina
Em busca de algo numa esquina
Que mesmo aqui estava, neste chão.

De meu feudo a Morte me expulsara,
Não me queria aqui sem o meu Vati.
Da Infanta destronada se livrara,
Que me tornara amarga como o mate...

A Usurpadora lágrimas não quer,
Um pé lá, outro na vida, qual anfíbia,
Mas na macabra orgia é só mulher,

Devassa, sinistra e falsa amável,
A vi tocar um violino numa tíbia
Na sala do defunto inigualável...

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Noites retornadas (de Alma Welt)

Noites retornadas na memória!
Belas noites quentes de verão
Quando eu contava nossa estória
Para meus guris amados, no portão

Frente à relva coruscante deste prado
Na orla do jardim da velha Frida
Do ilustre casarão meio arruinado
Pela saga intensa de outra vida

E revíamos os amores e as lutas
Que eu mesma narrava sem receios
Sem me saber herdeira das disputas

Que depois fizeram ver a dura lança
À nova estirpe por outros rubros meios:
Derramando nosso vinho e nossa herança...

(sem data)

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

O cavaleiro (de Alma Welt)

Pelas noites vinha o cavaleiro
Armado de fuzil e cartucheira,
No peito, cruzada, a bandoleira
E na cintura uma faixa de toureiro

Com o punhal de prata e bombachas,
O chapéu era pequeno e dobrado,
Tinha fileiras de bordadas tachas
Na frente, e aos ventos do meu prado.

Mas ele cavalgava sem um senso
E mirando-me assim ele apontava
Mas passando por mim arremetia

No louco rumo do nevoeiro denso
Onde por encanto ele sumia
Enquanto o véu do tempo se fechava...

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Iniciação (de Alma Welt)

À meia noite o portal se abria
E tudo se passava no meu bosque.
Eu saía do meu quarto e lá eu ia
Para o mágico encontro no quiosque

Das fadas e demais elementais
Que temias, eu me lembro, e evitavas
Como conspirações de ardis fatais
Que nos mandariam e tudo às favas:

A ordem, os desígnios e o destino
Que a gente há muito construía
No plano destes prados, dia a dia.

Mas tu mesmo, Rodo, foi primeiro
A me mostrar no espelho o aço fino
Entre o bosque e o mundo verdadeiro.

(sem data)

sábado, 5 de setembro de 2009

O Bosque da Poesia (de Alma Welt)

O meu bosque é território de magia
Desde que bem criança o adentrei
Sozinha, pois que medo não havia
Apesar do silêncio que encontrei

De súbito rompido pelo canto
Que, romântica, chamei de “rouxinol”
Pois que era o momento do encanto
Com os últimos reflexos do sol.

Mas logo sombras se adensaram,
Se fizeram ver e ameaçaram
Com a face escura deste mundo

Até que entre as fadas e a guria
Selou-se então o pacto profundo
Que é a fonte ou raiz desta Poesia...

(sem data)

Dupla Saga, ou Sonhos do casarão (de Alma Welt)

Quando à noite o casarão dormita
E sonha a saga digna e honrosa
De uma família não tão esquisita
Como esta dos Welt, espantosa,

Eu ouço os murmúrios e até gritos
Das batalhas finais dos farroupilhas,
Quando as preces igualmente dos aflitos
Eram por outros lances e outras filhas.

Agora quem nos reza longo terço
É a Matilde, o vero esteio desta casa
Que protegeu “las niñas” desde o berço

E jurou não deixar o mal interno
Se agitar em nós como uma asa
Negra, que ela teme vem do Inferno...

(sem data)

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Post Mortem (de Alma Welt)

Peregrina a vagar nas pradarias
Eu me tornei a Alma do meu Pampa
E os gaúchos em suas montarias,
Reverentes vêm até a minha campa

E apeando depositam um raminho
De flores do meu campo em primavera,
Ou dos seus amargos um saquinho
Antes de seguirem pra Rivera

Onde o prado encontra os castelhanos
Que outrora ferozes combatemos
E que agora na verdade tanto amamos

E temos como símbolos do humilde
(pelo menos os fiéis que recolhemos),
Corações como o Galdério e a Matilde.


(sem data)

terça-feira, 7 de julho de 2009

Posteridade pampiana (de Alma Welt)

Estarei por aqui por muito tempo
Nestes prados e sendas ancestrais,
Vagando nas noites estivais
Ou mesmo cavalgando contra o vento,

Esse frio Minuano que é meu rei
E soube das minhas ambições,
Dos sonhos que urdi e os que herdei
Dos godos meus avós e dos peões,

Em brios carregando em suas selas
A herança eterna farroupilha
Que anima o casarão e acende as velas

Que aqueceram de mim mesma a vã vigília
Repleta das lembranças de uma vida
Tão ardente e em poesia consumida.

07/01/2007

domingo, 21 de junho de 2009

A casa vazia (de Alma Welt)

Minha casa imensa ora me assusta
Pois foram-se os amigos e parentes
Minha Mutti há muito não me susta
Prazeres que achava impertinentes.

Pois que ela também, há muito, foi-se
E Solange a seguiu, depois Alberto.
Todos eles... mas a tal dama da foice
Deixou minha data ainda em aberto.

E Geraldo, não mais que um bandido
E de minha doce Lucia um mau marido
Que ousou muito abusar desta guria,

Esse não faz falta e ainda me assombra
Com espectros trazidos da coxia
Do palco que agora vive em sombra...

29/12/2006

Nota
É estarrecedor pensar como a guria do pampa sofreu, vendo seu "palco" se esvaziar, e o fantasma de seu estuprador ainda a assombrá-la...
(Vide o romance O Sangue da Terra):
http://romanceosanguedaterradealmawelt.blogspot.com

quinta-feira, 18 de junho de 2009

O cavalo de fogo (de Alma Welt)

Por aqui o cavalo vai sem meta
Todo em chamas a vagar na pradaria
E me lembro do outro, o do poeta
Lima que seu livro incrível lia.

E hesitamos, eu, Rodo e Galdério
Em segui-lo à distância pela noite
Pois seu rastro deixado como açoite
É como aquela luz de cemitério,

De santelmo, como dizem marinheiros
E o gaucho que se esvai em pleno pampa
O avista nos momentos derradeiros

Quando segurando o ventre rubro,
E da coxilha a galgar última rampa
Segue o íncubo cavalo que descubro...

(sem data)

quarta-feira, 10 de junho de 2009

O embuçado (de Alma Welt)

Galdério, ó Galdo, o que é aquilo
Que vimos, embuçado, pela estrada
Quando íamos a passo bem tranqüilo
E então me vi sobressaltada?

“Alma, patroinha, não é nada,
Aquele não é senão Judas Leproso,
E a sineta de som pouco lamentoso
Ele agita pra afastar a peonada,

Que de longe lhe deixa o de comer
Pois dinheiro não lhe querem pôr na mão,
Que outros não iriam receber...

E a pobre alma penada é intocável,
E morrerá sem que jamais nenhum peão
Le mire a face morta e deplorável...”

(sem data)

Reminicências (de Alma Welt)

Outrora eu ia nua até a fonte
Buscar água e ervas milagrosas
Que aprendia com mestre Quironte
O mago das quatro patas grossas.

Nos sagrados bosques de Elêusis
Fui discípula daquele sábio nume,
E por colegas tive semideuses
Cultuando do mestre o claro lume.

E ninfa eu mesma fui ou me tornei,
Perdoem-me vocês a bizarria
Aparente do que agora me lembrei,

Pois o que fluente a mente aborda,
Reparem, não é nenhuma algaravia
Mas aquilo que a alma ainda recorda...

(sem data)

terça-feira, 9 de junho de 2009

O nevoeiro (de Alma Welt)

Chegou a estação dos nevoeiros
Que erguem na campina denso muro
E faz tremer valentes e vaqueiros,
Pois pra eles ali mora o lado escuro.

O bosque proibido está imerso
Na bruma da fantástica neblina
E não haverá um ser perverso
Que não habite além desta colina.

De branco então entro em névoa alva
Para espanto do Rodo e do Galdério,
Como adentrasse à noite o cemitério.

Nessa nuvem densa e silenciosa
Eu encontro meus seres, sã e salva,
Pois da mesma natureza esplendorosa...

06/06/2005

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Vento, cavaleiro (de Alma Welt)

Vento, cavaleiro da colina,
Vem buscar-me, ó vento da manhã,
E leva-me contigo à outra sina,
Não me deixes morrer de forma vã.

Deixa-me voar, sou toda aérea
E minha pele é clara como o ar
Sou filha dos elfos, quase etérea
E não queria à terra assim baixar.

É por isso que alço os meus sonetos
E deixo o corpo por instantes
Que é a minha forma de ficar

Entre sonhos e espectros constantes
Que me instigam e lançam os motetos
Que me doam as asas pra me alçar...

(sem data)

As vozes do Tempo (de Alma Welt)

Levanto-me ao ouvir os sons da noite
Que aos outros parecem inaudíveis,
Não de grilos e sapos, sons tangíveis
Do Tempo, onde quer que ele se amoite

Pois de dia se evaporam e exalam
Sob o azul que quer só o presente
Ao vento das campinas onde calam
Os talos do capim que se ressente.

E como os que estiveram deste lado
Eu me vejo desde uma outra infância
Auscultando os sussurros do passado

E a verter das noites para os dias
As vozes gravadas à distância
No silêncio destas velhas pradarias...

(24/05/2006)

A Era romântica (de Alma Welt)

Eu já estive nesta casa, eu o sinto.
Sentava-me à mesa como agora,
Os convivas se enchiam de absinto
E tardavam muito a ir embora.

Mas me lembro de um que era sóbrio
E notando meu desgosto e desalento
Para evitar-me algum opróbrio
Me convidava a passearmos ao relento.

E eu já então chegada ao verso
Declamava para ele minha poesia,
Concentrando seu olhar nada disperso.

“Abandonei os bebedores comezinhos”
-ele com olhos marejados me dizia-
“E me embriago agora de outros vinhos...”

08/03/1990

Nota
Alma quando estudou na Alemanha, foi à França e visitou parentes na Alsácia-Lorena, terra de nossa avó Frida, e disse ter sentido a sensação de já ter estado na vetusta casa onde aquela nasceu e morou até a juventude. Então escreveu este soneto que expressa essas sensações, que ela considerou reminiscências de uma sua encarnação na “era romântica”. Resta saber quem foi esse interlocutor...
(Lucia Welt)

Ofélia (de Alma Welt)

Hoje o dia amanheceu enevoado
Evocando antigas brumas de Avalon,
Mas levanto e capricho no penteado
Em bandós e nem um toque de baton.

E com uma saia longa e meu chale
Me vejo um tanto mais vitoriana
A vagar numa charneca ou num vale
Como Tess, e muito menos pampiana.

Então, triste e encarnada no papel
Vou até o soturno lago meio opaco
E me inclino sobre águas como um véu

Que me nega as luzes que preciso
Para mirar meu rosto ainda que fraco
E mais para uma Ofélia que Narciso...

10/01/2007

A abantesma (de Alma Welt)

No riacho que produz minha cascata
Costumo vadear erguendo a saia,
Ou “vadiar”, diz Matilde caricata
A frisar minha brancura que desmaia.

Ou então, ela diz, "faz desmaiar",
Pois pudica que é, quer alertar-me
Ou prevenir que o povo vai acreditar
Qu’é d’uma abantesma este meu charme.

Mas estou mais inclinada ao nu total
E há muito que com Rodo ou sozinha
Sou eu a alva ninfa em meu quintal.

E o povo a lenda ama e perpetua:
“Visagem” sou da branca patroinha,
Que muito hei de vagar à luz da lua...

08/06/2005

Plantei um poema em meu jardim (Alma Welt)

Plantei um poema em meu jardim,
Mais secreto e apto a dar flores
E que oculto permanece quieto assim
No tempo em que se agitam os amores.

Enquanto a juventude canta e geme
Lançando sua semente aos quatro ventos,
As minúsculas embarcações sem leme
Que vão dar às praias e tormentos,

Esta semente do poema da velhice
Lança suas raízes bem mais fundo
Antes de alcançar a superfície.

Pois meu poema sábio e despojado
Ainda não nasceu e é tão calado
Que talvez nem seja deste mundo.


05/10/2006

Os Tempos e os Ventos (de Alma Welt)

Inolvidáveis tardes do meu prado
Quando em silhueta e uma aura
O adeus deste poente agraciado
O rubro dos cabelos me restaura

E junto ao grande umbu frondoso
No alto da colina em pleno pampa
Me vejo tal qual aquela estampa
Do vento que levou o nosso gozo

E então retorno e subo ao casarão
Que anoitecido desperta suas memórias
Como os guris a deslizar no corrimão

De seus jovens sonhos revividos
De outros poentes e outras glórias
De tempos e ventos esquecidos...

(sem data)

Memórias farroupilhas (de Alma Welt)

Pelas trilhas em volta do sobrado
Que se eleva sobranceiro na planície,
A fachada como a face de um barbado,
Com sua decantada esquisitice,

Recoberta pela hera e não grisalha
Conquanto mais vetusta que a do Vati,
E que sobe a parede até a calha
Com sua textura cor de mate,

Eu perambulo nos dias e nas noites
Procurando senhas e vestígios
Dos antigos farrapos e prodígios

Que me são anunciados por murmúrios,
Gemidos de cilícios, seus açoites,
Os vôos da memória e seus augúrios...

17/11/2006

O dia e a noite (de Alma Welt)

Os últimos albores na planície
Costumam me levar à compreensão
Súbita e fugaz da imensidão
Contra o humano limite e superfície.

Eu sei, o sol é Deus e é visível,
Olho severo mas sensível e amoroso
Que doura o nosso mundo compreensível
Pra mergulhar depois no duvidoso.

E assim, o que o sol nos esclarece
O sono desmente ou desvirtua
E temos que rever o que parece.

Agora em suas sombras e estigmas
A noite das estrelas e da lua
Nos convida ao sonho dos enigmas...


(sem data)

segunda-feira, 4 de maio de 2009

O bosque da donzela nua (de Alma Welt)

Na floresta que é meu bosque para mim
Desde guria eu vou pelas amoras
E pelas matinais aves canoras
E as de quando o dia chega ao fim.

Mas é de noite que sou a sua Infanta
E só eu tenho a coragem de adentrá-lo,
Que ao povo, há de sempre apavorá-lo
Aquela fadaria que me encanta.

Mas ali me viram com as lanternas
Como donzela nua e exangue
A escorrer meu mênstruo pelas pernas.

Pois é essa a ousadia que perpetro,
E gerou a lenda de um espectro
Que mancha os cogumelos de seu sangue.

05/12/2003

domingo, 3 de maio de 2009

De eras, heras e medos (de Alma Welt)

"...Où sont les neiges d'antan?"
(Balada das Damas dos Tempos Idos -(François Villon)


As vetustas paredes desta casa
Guardam sonhos da farroupilha era,
Também medo tardio que extravasa
E se alastra agora como a hera

A recobrir daninha esta fachada
Tornando-a mais sombria que vital
E nada hospitaleira à convidada
Que eu trouxe da longínqua capital

E que de noite acorda e se me agarra
A debater-se qual barca em sua amarra
Na torrente dos soluços e das mágoas

Das prendas que qual "neves d’antanho"
Ora permitem degelar as suas águas
Pois que então o heroísmo era tamanho...

2004


Nota

Acabei de encontrar este soneto inédito que percebi corresponder aos primeiros tempos da estada de Aline na estância, quando ela ainda se aterrorizava com os ruídos e murmúrios noturnos do casarão. A propósito (ou não) a namorada paulistana da Alma teve um filho de nosso irmão Rodo e acabou voltando com a criança (Marco) para São Paulo, contra a nossa vontade (que a amávamos), depois de dois anos (vide o romance O Sangue da Terra, de Alma Welt, no blog com este nome). (Lucia Welt)

sábado, 18 de abril de 2009

O ninho da Salamandra (de Alma Welt)

Iremos lá, àquele Cerro, meu irmão,
Como fomos juntos às Missões,
Sete Povos, lembra? num verão,
Quando a lenda nos tocou os corações.

Mas ao Jarau iremos delirantes,
E assim encontraremos o caminho
E chegaremos à sala dos diamantes
Onde a Salamandra fez seu ninho.

E seguiremos, eu sei, e não malditos
Pois não somos movidos por ganância,
Mas pela graça de nossa leda infância.

Quanto ao ouro e o poder, estes gigantes
Não nos poderão deixar aflitos,
Que o tesouro vive em nós e vem de antes.


14/10/2006

sexta-feira, 10 de abril de 2009

O Labirinto do Minuano (de Alma Welt)

Encontrei a passagem numa estante
Da fiel biblioteca e nosso gozo
Aqui no casarão, que num instante
Afigurou-se um labirinto perigoso.

Esta noite irei me aventurar
Pelo dúbio corredor mas instigante,
Não deixando todavia de me atar
À ponta de um novelo de barbante,

Mas temo que a passagem, por secreta,
Levará a imponderável metaplano
Que por certo nunca foi a minha meta,

E no centro do sulino labirinto
Estará o minotauro: o Minuano
Que, sim, me levará, eu bem o sinto.

03/11/2006

sábado, 28 de março de 2009

O vinho e o Graal (de Alma Welt)

Percorrendo em vigia meu vinhedo
Tive linda visão e inusitada:
Um cacho isolado qual segredo
Pois que sua cor era dourada.

"Um cacho de ouro!"- exclamei.
"Galdério! Vem ver o que encontrei!
Vê se é uma praga, anomalia
Que possa destruir toda a valia

Da safra e também do nosso esforço!
O cacho é pirata ou belo corso?
Deixo contigo juízo e decisão."

“Alma”- respondeu sábio o peão-
“Então não vês que o ouro é o sinal
De que temos o vinho e o Graal?”

(sem data)

Nota
Acabo de encontrar este curioso e encantador soneto, de acentuado pendor simbolista. E me lembrei de que na época, eu morando em Alegrete, ouvi comentários sobre o espantoso cacho dourado no meio do vinhedo, que se tornou uma das lendas da Alma e de nossa estância. (Lucia Welt)

segunda-feira, 16 de março de 2009

Onde vivem os deuses (de Alma Welt)

E eu cantaria o amor que me coubera
Ao nascer de novo nestes pagos
Isolados do mundo, noutra era,
Onde vivem os deuses e os magos.

Aqui me apaixonei por meu irmão,
Que como Eros piá vivia alado,
Sem dar-nos conta da cruel proibição,
Pois somente guiados pelo Fado.

Eis que num certo dia, aziago,
Fomos flagrados ao pé da minha Ara
Num lance que faria grande estrago

Não fora em nós a reverência e a fé
Nos nossos velhos deuses, coisa rara,
Que nos salvou o amor e... a alma até.

(sem data)

quarta-feira, 4 de março de 2009

Aqui estarei (de Alma Welt)

Aqui estarei, meu Rôdo, quando tudo
Naufragar em nós com o navio
Que é este casarão já quedo e mudo
A crepitar como uma vela sem pavio,

E nós, como sombras sorrateiras
Esgueirarmo-nos por estes corredores
Ou por este salão e suas soleiras
Que olharão para os últimos albores

Já a nos ver espectrais em cavalgadas
Ou mesmo a pé a vagar nas pradarias
Nas novas noites, eternas e tão frias...

Ai! Não mais claras manhãs, e orvalhadas,
Onde rindo perdoavas meus deslizes
E eu aos teus, por sermos tão felizes!

14/01/2007

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

O Congresso dos Elfos (de Alma Welt)

Esta noite irei de novo ao bosque
Pois senti o chamado dos meus elfos
Com as luzes que emanam do quiosque
Como outrora a pira lá em Delfos.

Devo juntar-me ao minúsculo congresso
De duendes e demais entes bisonhos
Pois há muito espero o seu regresso,
Ó tempo da alma e dos sonhos!

Mas a pequena rainha que preside
A reunião desses bons elementais
Não exclui o mal que ali incide,

Que por esses meu leito não deixava:
Pérfidos trolls e worlocks brutais,
Na erma noite que a neblina agrava.

(sem data)


Nota
Este soneto, como outros da Alma que se referem ao seu bosque(que temos aqui na estância) que nos era proibido em nossa infância por nossa Mutti, me fez recordar o belo e sinistro poema de Henry Treece musicado e cantado pela grande cantora folk Joan Baez nos anos 60. Reencontrei-o no You Tube. Vale a pena recordá-lo e comparar seu sentido com os sonetos da Alma sobre o tema:
http://www.youtube.com/watch?v=YI8O4uSVzO8

sábado, 21 de fevereiro de 2009

Pôquer de Máscaras (de Alma Welt)


Alma-Desdêmona (desenho de Guilherme de Faria)


Pôquer de máscaras (de Alma Welt)

Em torno da mesa, mascarados
Camuflam os olhares e a esperteza,
Os meneios sutis, inusitados
Deste antigo pôquer de Veneza.

É pleno Carnaval, e os jogadores
Reunidos num salão abobadado,
Palácio de outra era, de outras dores,
Num tempo que parece retornado

Desdêmona passou de tranças feitas,
Feliz, antes da Noite das suspeitas,
E Giacomo, depois, como aprendiz

De aventureiro e sedutor empedernido
Sob a máscara de fálico nariz
Que tanto coração deixou perdido.

25/02/2005


Nota
Alma assistiu uma vez, em Veneza, em pleno Carnaval, num palácio sobre o Grande Canal, um tradicional jogo de pôquer mascarado, de que Rodo participou. Alma em longo vestido de época, armado, com magnífica máscara branca e um grande leque de plumas, deslisava por ali, à volta da mesa. Ela jamais se esqueceria dessa experiência que fez seu espírito vagar por outras eras, naquela misteriosa e romântica cidade. Pouco depois, retornada ao Brasil ela me declamou esse soneto. Agora, como estamos no Carnaval me lembrei dele e fui procurá-lo na montanha de papéis de sua arca. Encontrei-o afinal, oportuno, pois Rodo se encontra em Veneza e me enviou um postal dizendo que está participando novamente desse tradicional e exclusivo pôquer de máscaras, em que se senta ao lado de banqueiros, magnatas, e eventualmente, até... chefões da Máfia (não posso deixar que a preocupação me tome...) (Lucia Welt)

*Desdêmona passou de tranças feitas- Alma sugere com este verso que a mulher de Otelo, vagou por esse salão quando donzela, solteira (de tranças) feliz , antes de começar o tempo das terríveis suspeitas, dos cíúmes, de seu futuro marido, o Mouro de Veneza.

*Giacomo, depois, como aprendiz- Alma se refere ao famoso sedutor veneziano, Giacomo Casanova, do século XVIII, de época bem posterior à de Desdêmona (século XV), e que começou sua carreira de aventureiro ainda jovem na sua Veneza natal, nas mesas de pôquer, onde conseguia se aproximar dos nobres e da "elite" financeira, que logo o encarcerou, pois ele roubava no jogo com a ajuda das mulheres desses nobres, as quais ele seduzia. Casanova foi condenado à morte, mas conseguiu fugir da prisão sobre o canal (vide a "Ponte dos Suspiros") e ficou exilado de Veneza para o resto da vida, vagando pelo salões da Europa.
Postado por Lúcia Welt às 07:59 0 comentários

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Leda e o Cisne (de Alma Welt )


Leda e o Cisne- mármore veneziano

Leda e o Cisne (de Alma Welt)

Decidi experimentar volúpia nova
E encarnar princesas mitológicas
Acolhendo as entidades pouco lógicas
Que Zeus transfigurado punha à prova

Na doce e embevecida prontidão
Em tê-lo entre as coxas bem no meio
Ou como chuva de ouro no meu seio
Mesmo que ensopasse meu colchão.

Assim comecei pelo meu cisne
Que ganhara de meu pai, enternecida
Por sua beleza branca enaltecida

Em que senti das plumas como seda
Emergir rubro arpão sem que me tisne
As pétalas e encantos, como Leda...


(sem data)

A nuvem de Io

Zeus e Ío (1530), por Correggio (ativo a partir de 1514- falecido em 1534)

2
Depois do cisne, resolvi, uma por uma,
Desafiar Metamorfoses mais sutis
Pois há sempre a rota em que se ruma
E Zeus não lança mão de formas vis.

Como Danaé no estranho banho
Dourado que a veio iluminar
Assim eu mesma tive um ganho
Ao pedir ao meu amor pra me dourar.

Faltava agora por nuvem ser tomada,
E como nunca apreciei o “fumacê”
Não conseguia matar esta charada.

Então junto à cascata do meu rio
Envolta nua no vapor que ali se vê,
Fui possuída como a sonhadora Ío.

(sem data, circa 1999)

Nota

Percebe-se que o Mito da chuva de ouro de Danaé Alma resolveu com a simples urofilia, coisa que na verdade ela já conhecia bem com nosso irmão Rodo desde a infância. Note-se que urofilia ou urolagnia é uma prática sexual mais comum do que se pensa e conhecida popularmente como "banho dourado". Quanto à transformação de Zeus em nuvem para possuir a princesa Ío, Alma resolveu lindamente ao entregar-se ao seu amor em meio à neblina que se forma na nossa cascata, mais fortemente numa certa época do ano.(Lucia Welt)

sábado, 31 de janeiro de 2009

O casarão (de Alma Welt)


O casarão na noite- óleo s/ tela de Guilherme de Faria, 30x40cm


Meu casarão é vivo e tem história
Mas também tristezas e rancores.
Por trás de sua velhice e sua glória
Há paixões, a sede dos amores.

É de noite que arfando mostra vida,
Cobrando suas dores e falências...
E eu saio a vagar entre as hortênsias
No jardim espectral da velha Frida,

Pra só voltar ao leito quando exausta
E quando já os galos predominam
Sobre os rumores desta casa infausta.

Então eu me desnudo e os convido,
Amores que em torno os ares minam,
A repousar em mim o seu olvido....

07/06/2006

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

Os encantos da alma (de Alma Welt)

Nas sombras cristalinas do meu bosque
Eu andei desde pequena solitária
E aprendi a ver as fadas num quiosque
E a rainha em sua forma vária

Que me chamava assim ao seu convívio
Pra me ensinar as coisas encantadas,
Longe da aridez e do oblívio
Das almas em que elas são negadas.

E eu ainda hoje me admiro
Do paradoxo da negação de tantos,
Já que à própria alma sobra encantos

Apesar de estar no mundo camuflada
A refletir no corpo quase nada,
A não ser num olhar e num suspiro...

09/11/2005



Nota

Por minha vez encantada, acabo de encontrar este soneto encantador da Alma em sua Arca inesgotável de inéditos. Este soneto me parece que já nasceu como um "clássico"...
(Lucia Welt)

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

A Ilha dos Mortos- quadro de Arnold Boecklin


A Ilha dos Mortos- quadro de Arnold Boecklin 1827-1901


A Ilha dos Mortos de Boecklin (de Alma Welt)

Não pare de remar, ó meu barqueiro!
Faça jus à soma que lhe pago,
Não hesite perante o nevoeiro
Que já desce saudando o que aqui trago.

Ajude-me também co’este caixão
Pois sozinha não poderei plantá-lo
Num nicho desta ilha em solidão
Com só a minha dor a acompanhá-lo.

Ilha Fatal, eis que sou tripla refém,
De pé na proa, como tu a me alçar
Das águas que ousei atravessar

Desse Letes obscuro em que vogamos,
Com meu próprio caixão que me contém,
Nós três: um só, no barco que remamos...


18/01/2007

Nota
Acabo de descobrir este soneto na arca da Alma e que pela data foi escrito na antevéspera da morte da Poetisa. De profundo teor alegórico-metafísico, Alma parece ter interpretado o famoso quadro do Boecklin, que lhe inspirou o soneto, com o barqueiro, a figura de pé na proa e mais o morto dentro do caixão como sendo três faces do mesmo ser: o morto que chega por seus próprios meios à Ilha da Solidão.(Lucia Welt)

quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

Las Brujas (de Alma Welt )


As três bruxas- desenho de Hans Baldung Grien 1480-1545(Albertina, Viena)


A noite do meu bosque é de bruxedos,
E me preparo para ver coisas sutis.
É lua cheia, de feitiços e folguedos,
Para além do jardim dos mal-me-quis.*

Como sonâmbula à floresta me dirijo
Atraída como mariposa ao lume,
E atingindo do mistério o esconderijo
Como um "montañero" alcança o cume,

Eis que com “las brujas” me deparo,
Aquelas que "no creo pero existen",
As três, que em orgia ainda persistem:

Duas jovens, uma velha, e, nada raro,
Como votiva tocha um urinol
Em chamas, como insólito farol...

14/06/2006



Notas
*mal-me-quis -Alma se referia assim à ala de margaridas plantadas no nosso jardim por nossa mãe, a "Açoriana" de difícil relacionamento com minha irmã. Alma acreditava não ser amada pela Mutti, e isso foi motivo de dor durante toda a sua vida, apesar de sua vocação (ou esforço) para a alegria. (Lucia Welt)

Por ter sido avistada nua (!!) no no seu bosque uma vez, Alma foi vista por algum tempo como feiticeira. Mas somente entre os menos generosos...

Mas se os leitores interessados quiserem saber e sentir um pouco mais o que eram as incursões da Alma no seu bosque, sugiro que assistam estas cenas do filme francês de 1956, La Sorcière (A Feiticeira) com a linda atriz Marina Vlady (que me fez lembrar a Alma) no You Tube

http://www.youtube.com/watch?v=KNntLHWaxgU

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

No Labirinto da Alma (de Alma Welt )


Cnossos- Creta (o palácio do Labirinto)

Pelos labirintos desta estância
Vagueio como outrora sob a luz
Agora com temor e esta ânsia
Que não obstante me conduz

Pelas sendas onde ontem fui feliz
E corria alada a colher flores
Para florir meu quarto de aprendiz
Da Poesia, do Amor e suas dores.

Como viver os dias que me restam?
É a pergunta recorrente, intrometida
No rol de pensamentos que me infestam.

Ruivas colunas, galgando patamares,
Ruivos cabelos flamejando pelos ares,
Eis a Alma... que corre... já ferida!

18/01/2007

_______________________

Nota
Estarrecida acabo de encontrar este soneto inédito da Alma em sua arca do sótão, em que a imagem do Labirinto se confunde com a escadaria de colunata vermelha do palácio de Cnossos, em Creta, que nitidamente é o cenário ou metáfora que perpassa o poema, de dolorosa premonição da morte. Na verdade, cheguei rapidamente a essa interpretação porque Alma tinha um cartão postal dessa escadaria ladeada de colunas ("ruivas" como os seus cabelos) pregado com alfinete num painel de cortiça, de recordações de viagens e amigos, no seu quarto. Alma acreditava ter já vivido em Creta nesse palácio do Labirinto. Mais uma vez tive que chorar... (Lucia Welt)

_________________________________________________


Como conheci Rafisa (de Alma Welt)

Pela verde amplidão desta campina
Que se estende desde os pagos castelhanos
Até este quintal da minha vinha,
Vinha vindo uma carroça de ciganos.

Então a mula estacou extenuada
(seu nome logo eu haveria de escutar)
E da boléia desceu (eu deslumbrada)
A cigana que me caberia amar.

E com dois passos, lenta em sua nobreza,
Parou diante de mim na minha varanda,
Inusitada curvando um dos joelhos

Numa vênia como se eu fora a princesa,
E num gesto apresentando sua Miranda:
"Ela me trouxe a ti por entre espelhos!"


(sem data)


Nota:
Depois de algumas semanas sem poder pesquizar a montanha de textos da Alma na sua arca do sótão, da qual creio que já compilei, digitei e publiquei pelo menos a metade nestes 25 blogs, encontrei este soneto em manuscrito, sem título, que percebi que não havia visto até então, e que me pareceu importante pois conta como conheceu aquela que viria ser uma amiga muito especial (uma amante mesma, sejamos claros...), a cigana Rafisa, referida em tantos belos sonetos e que tendo contado à minha irmã aquele belo e trágico episódio da "coronelinha", que a Alma contou ao cordelista Guilherme de Faria, este escreveu sua obra-prima de cordel: "Romance da Vidência". Vide o blog:
www.guilhermedefariacordel.blogspot.com

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Amor sem rosto (de Alma Welt)

Meu amor, a ti me dirigindo,
Saiba que te não personaliso,
Ao menos por enquanto, o que é lindo,
Pois és Amor, és Eros, Dioniso...

Bah! Quisera manter-te assim sem rosto,
Já que sendo deuses pouco valem
Os traços de uma máscara ou de um gosto
Que o Tempo não retém e que se perdem.

Como um nume, ou príncipe, quem sabe,
Toma-me nos braços que sou Alma
E minha alma no corpo já não cabe...

E leva-me, que me finjo adormecida,
Com aquela volúpia nada calma
Da guria que fui... cheia de vida!

15/01/2007

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

Sons da noite (de Alma Welt)

As paredes vetustas desta casa
Trazem-me os sons de outra era
E cheios da dor que reverbera
Como um ruflar de negra asa

Distingo nas noites os gemidos
Das filhas do pobre Valentim,
Os gritos da viúva, os latidos
E logo o uivo de um fiel mastim

Ali, ao pé do corpo que pendia
Da trave do telhado, assim, no sótão
Onde depois o belo Rôdo dormiria

Impávido e inocente o meu irmão,
A embalar seu sono a algaravia
Do sussurrar de um proibido coração.


11/12/2005

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

A fada da mente (de Alma welt

Esta noite irei ao meu pomar,
Apesar de escura e enevoada.
Ali estarei com minha fada
Com quem combinei de me encontrar.

Rôdo, mas só ele, está ciente,
Pois os outros não podem suspeitar.
Estou em perigo, ultimamente,
Há quem queira mesmo me internar.*

Na minha "Grande Noite de Walpurgis",*
Quando terminei por levitar,
Todos os deuses vieram me encontrar...

Mas o espanto agora é diferente:
"Ó minha fada, eu sinto quando surges
A partir da minha própria mente!"

18/12/2005

Notas

*"Grande Noite de Walpurgis" - Alusão à "Noite Clássica de Walpurgis", cena apoteótica, magistral e iniciática do Fausto, de Goethe. Trata-se de uma grande reunião ou orgia dionísiaca, de todos os deuses da Grecia Antiga, a que Fausto assiste com a ajuda de Mefistófeles. A cena é longuíssima, extremamente erudita e cheia de ocultismo. Há mesmo estudiosos que se debruçaram anos a fio sobre o estudo dessa parte do Fausto, inclusive teses de doutorado.
Alma assim se refere à sua experiência mística pagã, de invocação mágica dos deuses e numes do Pampa, diante de sua macieira sagrada do pomar, que está descrita magistralmente em certo capítulo do seu romance A Herança, e sucintamente no seu soneto "Todos os deuses", aqui postado. (lucia Welt)

* ... me internar"- Alma temia ser internada como afinal realmente o foi, numa Clínica pouco depois da data deste soneto. Mas não é verdade que queríamos interná-la. Fomos pegos de surpresa, quando ela sumiu num sábado e foi encontrada por nós que a procurávamos preocupadíssimos, em lamentável estado vagando no bosque, fora de si, com o vestido rasgado e arranhões nos seios e nas coxas, que suspeitamos como vestígios de estupro.(Lucia Welt)

domingo, 24 de agosto de 2008

Exorcizando (de Alma Welt)

Matilde veio logo me avisar
Que uma sombra rondou o casarão
E parou de frente ao nosso sótão,
Depois partiu no rumo do lagar.

"É o Valentim!" ela adverte-
"Que olhou para onde se enforcou,
Voltou para onde o vinho verte
E ali novamente se afogou."

E eu, a quem não custa espicaçar,
Saí no temporal e fui às uvas
Para o tal fantasma exorcizar:

"Perdoa, a ti me dou, tardia embora,
E me desnudo sob o frio de tuas chuvas
Que são as tuas lágrimas de outrora!"

(sem data)


Nota

Valentim- Para quem ainda não sabe ou não leu o romance autobiográfico da Alma "A Herança", Valentim Ferro foi o último proprietário gaúcho autêntico de nossa estância (antiga Querência Farroupilha, agora Sta Gertrudes) e que endividado acabou vendendo sua propriedade para o nosso avô Joachin Welt, em seguida por desgosto enforcando-se no sótão do próprio casarão. Alma conta como nosso avô narrou a ela ter encontrado o corpo de Valentim, ainda quente como o mate fumegante esparramado da cuia (e bomba) sob os pés do enforcado, este todo ataviado nas sua melhor bombacha, botas, esporas, faixa, chapéu, lenço vermelho farroupilha, e tudo.
Alma dizia ter tido vários encontros com o espectro do infeliz proprietário autêntico derradeiro, com o qual ela acreditava termos uma dívida insaldável, usurpadores que éramos desta propriedade farroupilha tradicional, nós, "boches arrivistas" que viemos plantar uvas numa terra tradicional de gado, charque e mate. (Lucia Welt)
Postado por Lúcia

domingo, 10 de agosto de 2008

O Portal (de Alma Welt)

Saí de manhã com cuia e bomba
A vagar por minhas velhas trilhas
Até rondar o bosque em sua lomba
Que nasce no sopé destas coxilhas.

Ali então penetrei chimarreando
Aquecida por dentro pelo amargo
Para ouvir a natureza despertando
E o meu alento bem mais largo.

E logo tomada de entusiasmo
Me pus a correr por entre os troncos
E a girar no centro de um orgasmo

Até desfalecer numa clareira
Cercada por seres nada broncos,
Abertos o Portal e a Fronteira...

sexta-feira, 8 de agosto de 2008

A névoa e a Alma (de Alma Welt)

Quando a névoa ainda não se alçou
E paira sobre a relva confundindo
Céu e terra como quando começou
O mundo e Deus ainda estava urdindo

A tessitura de seu reino endiabrado,
Depois cheio de tesouros e magia,
Eu sinto que pertenço a este prado
E nutro-me de sua nostalgia.

Mas logo em alegria me desnudo
Pois orvalhada já em minha roupa
Posso sentir-me parte disso tudo:

De Deus o puro caos primevo e vago
Quando tudo ainda era parte dessa sopa
Do grande caldeirão do Eterno Mago...


(sem data)

sexta-feira, 25 de julho de 2008

Palavras à cigana (de Alma Welt)

Rafisa, lê depressa a minha palma
Mas não pares no meio da leitura.
Sempre o fazes como se uma ruptura
No fio do destino desta Alma.

Eu vejo como fechas minha mão
E o disfarças com um beijo ou sorriso.
Mas não conténs, cigana, o coração
E teu peito que ofega, em prejuízo

Do segredo do que é meu e tu me deves,
Pois se és vidente e quiromante
Honra a tua fama, a mal não leves,

Vai, revela tudo, não importa
Se a Morte for um hóspede galante
Que está prestes a bater na minha porta...

05/01/2007

O claro e o escuro da Alma (de Alma Welt)

Amanhã verei meu ser refeito
E envolto em aura, libertado,
Serei o ser que sou, o ser eleito
De mim mesma, aceso, iluminado.

Farol na noite eterna de esperança
Ou sol no dia claro sempiterno,
O timbre escolhi eu desde criança
Ao escolher o amor, o bom e o terno.

Mas, bah! se o Cerro esfria e escurece
E pelas faldas onduladas de coxilhas
Do Jarau o minuano escorre e desce,

Da alma o lado escuro me fascina
Ao perceber o quanto, sim, ele me anima,
Esse contraste que produz as maravilhas!

(sem data)

Noite Xamânica (de Alma Welt)

Quando a noite é quente em meu jardim
Me ponho na varanda, excitada,
E logo vou sair fora de mim
Para livre me sentir, e mesmo alada.

E vôo, ah! eu vôo sobre as flores
Pra de cima divisar o meu quiosque
Em que um dia iniciei-me nos amores
Pra depois consagrá-los no meu bosque

Onde então me torno loba ou cadela
Ssschhh! a grande coisa, um sábio disse*,
Exige que jamais falemos dela,

Pois me sinto voltar ao animal,
Enquanto vultos negros como piche,
Com seus lumes já me espreitam como tal...

29/06/2006

quinta-feira, 24 de julho de 2008

Reencontrando o general (de Alma Welt)

Amarrei minha montaria no mourão
Adentrando então a estância estranha.
No peito eu sentia o coração
Pulsando como os palpos de uma aranha

Que aguardasse a si mesma como presa
No centro de uma teia que era o mundo.
E assim eu caminhava muito tesa,
A sentir que o momento era profundo.

Então me vi diante da varanda
Do herdeiro de meu Netto general,
Que tirou o chapéu, como se manda

E mostrando os cabelos cor de nata
Disse: "Voltaste, minha princesa, meu Graal,
Que te espero, há muito, desde el Plata."

(sem data)

terça-feira, 22 de julho de 2008

A fronteira (de Alma Welt)

Venham por aqui, ó Lucia, ó Rodo
E também a Solange, o bando todo...
É uma senda estreita no final
Que leva à Salamanca do Jarau!

É, sim! Eu descobri aqui na estância
O tesouro do gaúcho, é vero! juro!
Na entrada, sei, é um pouco escuro
Qu'isto não é nenhum jardim da infância.

Mas olhem, prometam, não espalhem,
A Mutti não pode saber disso,
E as preces da Matilde nada valem

Se formos proibidos de brincar
E descobrir o mundo fronteiriço
Que há além das uvas no lagar...

11/05/2006